• Início
  • ››
  • Chapada Diamantina
  • ››
  • Corpo é achado em município da Chapada Diamantina e polícia suspeita que seja de criança morta pelo pai no DF
-------- PUBLICIDADE --------
Mundo Animal Barra venc dia 04

6 de dezembro de 2019
Chapada Diamantina

Corpo é achado em município da Chapada Diamantina e polícia suspeita que seja de criança morta pelo pai no DF

Foto: Divulgação/Delegacia de Palmeiras

O corpo de uma criança foi encontrado na quinta-feira (5), na zona rual de Palmeiras, cidade da Chapada Diamantina, na Bahia. A Polícia Civil da região suspeita que trata-se de Bernardo da Silva Marques Osório, a criança de 1 ano e 11 meses que foi morta pelo pai, Paulo Roberto de Caldas Osório, no Distrito Federal.

De acordo com a Polícia Civil, o corpo foi achado com roupa e um cordãozinho de âmbar no pescoço, características destacada pela família à polícia. Uma cadeirinha para transporte de crianças nos carros, também foi encontrada. Mesmo com evidências das vestes e objetos, a polícia destaca que só pode confirmar que trata-se de Bernardo quando ele passar por exame de DNA para identificação. O corpo achado pela polícia será encaminhado para o Departamento de Polícia Técnica de Itaberaba, na região, para a realização dos exames.

O pai da criança, o funcionário do Metrô do Distrito Federal, Paulo Roberto, confessou ter matado o filho. Para a Polícia Civil ele disse que jogou corpo da criança em uma área de matagal à beira da BR-020, na Bahia – a mais de 400 quilômetros de Brasília. Apesar da informação do homem, a polícia detalhou que o corpo foi encontrado na BR-242, na localidade chamada Barreiro, pertencente ao Povoado Campos de São João, no município de Palmeiras.

Caso

Após a prisão, na madrugada de segunda-feira (2), em um hotel de Alagoinhas, também na Bahia, o homem confessou o crime. Ele contou aos policiais que buscou Bernardo na creche, na Asa Sul, na última sexta-feira (29) e dopou a criança com medicamentos. Aos policiais, ele disse que “usaria Bernardo para dar um susto na mãe e na avó materna do menino”.

No dia do desaparecimento da criança, o homem mandou mensagens de texto e de áudio para a mãe do menino, após buscá-lo na escola.

Imagens obtidas pela Polícia Civil mostram que, antes de seguir para a Bahia, Paulo passou em casa, na Asa Sul. Câmeras de segurança registraram o momento que o servidor público deixou a residência, de carro. A polícia acredita que Bernardo estava dentro do veículo. Na quinta-feira (5), a Justiça do Distrito Federal negou o pedido da defesa para transferência de Paulo Roberto para a ala psiquiátrica do Complexo Penitenciário da Papuda.

Morte da mãe

De acordo com a Polícia Civil, Paulo já ficou internado na ala psiquiátrica da Penitenciária da Papuda, em Brasília, por 10 anos, por ter assassinado a própria mãe. O crime ocorreu quando ele tinha 18 anos, na mesma casa da 712 Sul onde o servidor público mora. Na época do crime, ele foi considerado inimputável – sem condições de responder pelo assassinato, devido ao transtorno mental. Segundo os laudos, Paulo Roberto de Caldas Osório tem esquizofrenia. Três anos depois de cumprir a pena, ele fez concurso para o metrô do Distrito Federal e foi aprovado, inclusive na avaliação psicológica.

Segundo o delegado Leandro Ritt, a mãe da criança, Tatiana da Silva, descobriu que o ex-companheiro tinha matado a mãe somente depois do desaparecimento de Bernardo. Os vizinhos da Asa Sul teriam falado sobre o passado de Osório. (G1 BA)